EDUCAÇÃO DE ITABUNA PARTICIPA DO FÓRUM DA EDUCAÇÃO DO LITORAL SUL

22/08/2018 | Assessoria de Comunicação

Aconteceu nesta segunda-feira (20), no Auditório Paulo Souto, na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), numa proposta lançada pela Associação dos Municípios da Região Cacaueira (AMURC), pelo Consórcio de Desenvolvimento Sustentável do Território Sul da Bahia (CDS-LS) e pela Pró-Reitoria de Extensão da UESC, o Fórum da Educação do Litoral Sul, que contou com a presença da secretária municipal da Educação de Itabuna, a professora Nilmecy Santos Gonçalves.

Os trabalhos foram abertos com um espetáculo produzido pela Escola Municipal de Dança de Itabuna, que é mantida pela Prefeitura de Itabuna, através da Secretaria Municipal da Educação (SME).

Com evoluções baseadas no ballet clássico, o espetáculo propôs um diálogo com a cultura popular, a cultura regional e a contemporaneidade, envolvendo 25 alunos com idades entre 6 e 28 anos. A apresentação serviu como modelo de sucesso enquanto proposta estabelecida na Educação. Para o professor Alessandro Fernandes de Santana, pró-reitor de Extensão da UESC, “a apresentação chamou-nos muito a atenção pela qualidade do trabalho”, externou, elogiando os envolvidos.

Os trabalhos propriamente ditos do fórum estiveram voltados para a discussão do tema “Implementação da Reserva Técnica – Desafios e Avanços”, como resultado direto de uma série de diagnósticos que foram realizados nos municípios da região. Na linha de frente dos debates, estiveram o coordenador regional da Rede PCR / UNDIME, Paulo Galdino, falando sobre o panorama da implementação da reserva técnica na Bahia; a professora Gilvânia Nascimento, representante da UESC e coordenadora estadual e diretora nacional UNCME/BA; e Cleuza Repulho, ex-secretária da Educação de São Bernardo do Campo e Santo André / SP, ex-presidente da UNDIME Nacional, falando sobre experiências de implementação da reserva técnica.

Para a professora Nilmecy Gonçalves, “é muito importante que se instale no âmbito da realidade local da região Sul da Bahia, um debate sobre uma realidade para a qual há uma legislação, mas não há, ainda, a condição ideal para a sua implementação. Não é uma tarefa das mais fáceis, mas, sabemos que, pela própria força dos professores, pela tradição de que mudanças importantes se iniciam a partir da prática pedagógica, conseguiremos sublinhar as adversidades e partir para os avanços”, disse otimista.

Reserva Técnica trata de uma previsão legal que se discorre na Lei 11.738/2008, artigo 2º, parágrafo 4º, que institui o limite de 2/3 da carga horária dos professores para o desempenho de atividades de interação com os educandos e 1/3 de hora para atividade pedagógica (momentos de estudo, planejamento e avaliação), independentemente da unidade tempo que configura a hora-aula em que cada município (se de 60, 50 ou 45 minutos). O desafio, discutido no fórum, é o de garantir essa reserva sem prejudicar a exigência legal de que se cumpram as 800 horas-aulas e os 200 dias letivos que precisam estar resguardados para os alunos. Em Itabuna, esse processo de implementação será conduzido pela Secretaria Municipal da Educação, em consonância com o Conselho Municipal da Educação e em diálogo com o Sindicato do Magistério Público Municipal de Itabuna.