#Itabuna108Anos: Ações sociais e educativas podem ser a saída para reduzir a violência em Itabuna

25/07/2018 | Assessoria de Comunicação

A violência não deve ser tratada só com medidas repressivas e de vigilância, mas, principalmente com projetos sociais, educativos e comunitários com a participação de instituições públicas, particulares e a sociedade como um todo. Esta foi uma das alternativas apontadas durante uma sessão especial que discutiu, na tarde da última terça-feira (24), o tema: “A Escalada da Violência em Itabuna – apontando caminhos”, na Câmara de Vereadores.

O evento atendeu ao requerimento do vereador Robson Santos Sá e objetivou unir esforços de instituições públicas, particulares e da sociedade para a questão da violência urbana que aumenta a cada dia. O evento também serviu para debater a criação de um Núcleo de Estudo da Violência em Itabuna, do Gabinete de Ordem Pública e da Fundação de Amparo a Pesquisa e Extensão do Município de Itabuna (FAPEXI).

O primeiro a se pronunciar foi o professor da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSBa), Fernando Soares, que ressaltou a importância de se agregar todas as instituições, cada uma com olhares diferentes, mas bem alicerçados no conhecimento e no corpo técnico para ajudar o poder público com ideias, projetos e ações que contribuam para minimizar o alto índice de violência no município.

Foi o professor da UFSBa, o autor da proposta de criação da Fundação de Amparo, Ensino e Extensão de Itabuna (FAPEXI), que foi abraçada pelo prefeito Fernando Gomes. A iniciativa foi considerada importante para a restituição da paz, segurança e tranquilidade em Itabuna.

Um dos convidados, o vereador Jean Pirola, de Brusque (SC), mostrou, em vídeo, projetos e programas desenvolvidos com sucesso em seu município, no combate a violência. Ele informou que a cidade com mais de 130 mil habitantes, tem um dos menores índices de violência do país e citou que apenas três homicídios foram registrados neste ano, todos solucionados pela polícia.

Educação no trânsito dentro da escola

A baixa incidência de violência, segundo Jean Pirola, se deve a programas de incentivo envolvendo a comunidade, os poderes públicos como o município e o judiciário que repassam fundos para a Polícia Militar e bombeiros que tem importante papel na educação de crianças e jovens com projetos desenvolvidos dentro da escola. “100% das crianças de todas as classes sociais recebem educação sobre segurança, certificado de participação e um prêmio, um brinquedo em formato de leão, como se fosse um troféu. Eles jamais esquecem o que aprenderam”, assegurou.

O secretário municipal de Segurança, Transporte e Trânsito, Gilberto Santana, representando o prefeito Fernando Gomes, lembrou que o alto índice de violência em Itabuna começou a surgir após a crise do cacau e o êxodo rural que provocou o inchaço na zona urbana. Santana falou das ações que o município tem se empenhado para o controle da violência, como o projeto de viodeomonitoramento que está sendo implantado na Rua Paulino Vieira, no centro da cidade.

O evento contou ainda com a presença das secretárias de Educação Nilmecy Oliveira; de Assistência Social, Sandra Neilma; do Major Manoilzo Bomfim, representando a Polícia Militar; do presidente da OAB, Edimilton Carneiro, e representantes da comunidade, dentre outros convidados.